Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2013

Qual seria a meta para a felicidade?

Não sei o porque de tantos raios.
Será que o amor é como um jogo de baralhos?
E a danada da saudade?
Duraria anos ou ficaria pela metade?
Qual seria a meta para a verdadeira felicidade?

                                          Milena Luf

Amor.Um sentimento de momento

Achei no amor todo o propósito para amar e 

escrever.Talvez seja apenas para ver.

Quem sabe para vir,sorrir,sentir ou ir...

Em todo sentimento,será que há um tormento?

Seria tudo de momento?

                                   Milena Luf

Poesia às flores

Sei que posso,sei que consigo.

Mesmo se for para chegar ao infinito...

Mesmo a estar sem as flores,

consigo sentir os tremores

que envolvem todas as cores

simplesmente amar todos os amores.

                                          Milena Luf

Grilos...

Minhas notas,minhas lorotas.
Onde estão minhas melhorores notas?
Estariam em lugares lunares?

Minhas chaves... Será que foram 
pelos ares?

Por quê agora este sufoco rouco?

Por quê a fulga?

Cadê a corda que desenrola ?

Por onde andaria aquela alegria?
Será que ainda haverá sinos?

Ou quem sabe a vida tira os
grilos do caminho?


                          Milena Luf


Luzes da razão

Sentir,amar, progredir,sentir ou inibir o frescor  de todo o amor? Seria então mais fácil decidir ou seria melhor ir de vez? Seria melhor então envolver-se com a razão? Ou seria melhor abrir as asas então?
                              Milena Luf

The heaven

Se o céu já ficou muito tempo a esperar ,
é porque ainda há chances para amar...
                                      Milena Luf

Clarezas

O amor chegou na certeza incerta

da clareza esfumaçada de todo o tempo

que gerencia a adrenalina de que seremos

felizes algum dia.
                                   Milena Luf

O olhar...

Olhei para lá e nada vi.
Olhei através e não senti.
Olhei para baixo,mas não 
obtive resultado.
Olhei para ele e senti que 
não era mais dele. 
Olhei o passado e procuei seu retrato.
Olhei o presente e vi que estas ausente.
Olhei para o céu,não havia mais nuvens.
Olhei o mar e tive vontade de amar.

                             Milena Luf

Tantas coisas...

Tantas bocas lá deixei para
ao menos saber se daria um 
conto,um amor,uma paixão
ou um ato de sabedoria ou 
não.

Não foi atraso,tão menos descaso.
Pode ter sido um ato pensado,
mas se fosse isso,não estaríamos 
a brincar com o riso.

Se fosse assim,fácil,jamais escreveria 
uma poesia ao raiar do dia ao escrever 
coisas que jamais diria.

                               Milena Luf

Poesia ao céu

O tempo e seus inventos
tem a veracidade do alento 
como se a vida não esperasse
a descoberta do inverno a 
redescobrir o brio e o fogo
a amenizar o frio.

Bendizeres contentes a 
animar uma estrela cadente.

Rumo ao céu 
junto ao mar
jamais deixarei de amar...

                                    Milena Luf

Poema ao coração

Nada mudou e tudo passou.
Não sei se com gritos 
ou pelo bem que me fez.

Raiva,rancor,amor...
Quem saberá?

Alguém se arrisca 
onde sai faísca?

Pelo bem,pelo amor
não arrisque em vão
e saiba que não quero
mais esta escuridão.

                                Milena Luf

Tempos alentos...

Recriei o amor dos tempos e dos ventos.

Recriei o sentimento com a brisa e 

descartei as feridas.

Não sei nem ao menos do tempo...

E o quê seria do tempo nestes tempos alentos?

                                  Milena Luf

Portas e curiosidades

Título de um livro,
páginas em branco,
lírios do campo ou 
ou rítimos a ofuscar 
o luar...

Ideias e metas 
em janelas indiscretas
a compôr a canção em 
um só coração.

Tamanha curiosidade,
já não importa mais a idade,
pois agora o que importa são as portas...

                        Milena Luf